Iphan/PR apresenta balanço sobre a gestão do patrimônio ferroviário no Paraná

Em 2007, com a extinção da Rede Ferroviária Federal (RFFSA), o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional passou a ser legalmente responsável pelos bens móveis e imóveis de valor artístico, histórico e cultural oriundos daquela empresa, devendo recebê-los e administrá-los. Nos cinco anos decorridos desde então, a Superintendência do Iphan no Paraná, apesar do reduzidíssimo quadro de pessoal, tem um importante trabalho a mostrar, como se pode ver a seguir, ano a ano ou por período plurianual.

2007/2012 – Cessão de oito pátios ferroviários com estações, casas e armazéns às respectivas prefeituras. Entre os pátios cedidos, dois deles – o de Pirapó, em Apucarana, e o de Ibiporã – já foram restaurados pelos respectivos municípios com participação técnica do Iphan. Espera-se que outros o sejam em breve.

– Análise técnica de cerca de quinhentos imóveis para avaliação de eventual valor histórico-cultural.

2008 – Inventário de cerca de 5.000 bens móveis do edifício Teixeira Soares – antiga sede da extinta RFFSA – e de 1.500 bens móveis dos demais acervos expostos em Curitiba e em outras cidades paranaenses.

2008/2012 – Inventário de 70 pátios ferroviários paranaenses.

2009 – Contratação dos projetos de restauração das estações ferroviárias da Lapa e de Paranaguá.

– Obra de restauração de uma casa do pátio ferroviário em Piraquara para instalação de museu ferroviário.

2010 – Projeto e obra de restauração da Estação Ferroviária de Paulo Frontin com recursos do Iphan.

– Articulação com o Ministério Público Federal para formulação e assinatura de Termo de Ajustamento de Conduta para elaboração e execução de projetos – já prontos e aprovados – e obras de restauração em seis estações ferroviárias do norte do Paraná às expensas da concessionária da estrada de ferro.

– Inventário de levantamento de material rodante no Estado do Paraná.

– Convênio com a Universidade Federal do Paraná para restauração do Edifício Teixeira Soares – antiga sede da extinta RFFSA – e criação de espaço de memória ferroviária sob responsabilidade do Iphan. As obras estão em andamento e poderão estar concluídas em 2013.

2011 – Articulação com o Ministério Público Federal para destinação de verbas compensatórias pagas pela concessionária da estrada de ferro por responsabilização em vandalização de duas pequenas estações ferroviárias.

2011/2012 – Inventário, digitalização, higienização, restauração parcial e acondicionamento em arquivo de 16 mil fotos da extinta RFFSA, entre elas cinco do fotógrafo oficial de D. Pedro II, Marc Ferrez.

2012 – Contratação do Inventário da Estrada de Ferro Paranaguá-Curitiba para formatação da proteção federal a ser proposta.

– Articulação e apoio técnico para realização das obras de restauração do Viaduto Ferroviário João Negrão, também conhecido como Ponte Preta, no Centro de Curitiba, já concluídas.

– Ampliação do Museu Ferroviário de Curitiba, no Shopping Estação, em andamento.

– Recebimento formal da Estação Ferroviária de Curitiba (na rodoferroviária) e da Garagem de Automotrizes, ambas já concretizadas, e tratativas em curso para restauração e readequação do uso das mesmas.

fonte : IPHAN/PR

O que você pensa sobre isto ?