Arqueólogos de Santa Catarina descobrem vestígios com cerca 2 mil anos

Entre os vários objetos exumados têm destaque os elementos metálicos, alguns de armamento pertencentes aos militares que guardavam a mina, como é o caso de duas espadas, uma ponta de seta, vários pilum (uma espécie de dardo pesado utilizado pelo exército romano na antiguidade) e parte de uma ponta de lança; vasilhas de diferentes tipologias, duas lucernas (lamparinas comumente utilizadas para iluminação de locais fechados); e fragmentos de pequenos recipientes em vidro. Os vestígios têm ainda apontado para a existência de estruturas de lareiras e áreas de possível pernoita.

A cavidade, antiga mina romana, possui mais de 600m2 e uma umidade relativa bastante alta, integrando-a nas metodologias da arqueologia subaquática. Duas das suas galerias encontram-se completamente submersas que, ainda que não proporcione o mergulho em caverna, detém determinadas exigências  técnicas à equipe de investigadores que a estuda.

O material recuperado está sendo processado em laboratório de campo, pela equipe de conservação, coordenado por Cláudio Monteiro, em instalações cedidas pela Camara Municipal de Alvaiázere, no sentido de uma estabilização eficaz dos objetos e seu correto acondicionamento até ao laboratório de Arqueologia e Conservação do Patrimônio Subaquático (IPT).

Os trabalhos irão continuar até ao final do mês de julho. Alguns dos vestígios recuperados poderão ser vistos em setembro no Museu Nacional de Arqueologia e no Museu Municipal de Alvaiázere.

Via Porta da Ilha

O que você pensa sobre isto ?