Iphan/PB promove Seminário “Patrimônio e Educação”

A Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, por meio da Casa do Patrimônio de João Pessoa, realizará o Seminário “Patrimônio e Educação”, com o objetivo de debater processos educativos no âmbito da educação não-formal, voltados à valorização do patrimônio cultural.

O evento será realizado no dia 18 de setembro, das 9 às 12h, na sede da Casa do Patrimônio de João Pessoa, localizada na Praça Rio Branco, nº 30 – Centro.

A programação se inicia com a fala de Igor Alexander, historiador e mestrando em patrimônio cultural pelo Iphan, com a palestra “Na confluência da roda: documentos patrimoniais, educação patrimonial e pedagogia griô”. O objeto da sua pesquisa são as práticas educativas empreendidas pela Escola Viva Olho do Tempo – Evot, localizada no Vale do Gramame, zona rural de João Pessoa. A Evot é uma ONG que atua na região e seu trabalho está voltado para a valorização das referências culturais locais.

O debate segue com a apresentação “Areia e seus museus: ações de integração com a comunidade”, da arquiteta Lucia Giovanna, coordenadora do Ponto de Cultura Viva o Museu e atual secretária de Educação da cidade de Areia. Vencedor do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade – Edição 2012, na categoria “Preservação de Acervos”, o projeto desenvolvido em Areia é um exemplo de envolvimento da comunidade, sobretudo dos jovens locais, com vistas à preservação, valorização e apropriação do seu patrimônio cultural.

Por último será a palestra “Museu do Patrimônio Vivo: uma experiência piloto de salvaguarda de patrimônio imaterial”, com Marcela Muccillo, sócia fundadora da ONG Coletivo Jaraguá e coordenadora-geral do projeto “Museu do Patrimônio Vivo de João Pessoa”. Essa iniciativa foi vencedora do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade – Edição 2013, na categoria “Patrimônio Imaterial”. O projeto consiste na valorização das manifestações culturais de diferentes bairros da cidade de João Pessoa, com forte trabalho baseado na transmissão dos saberes pelos mestres da cultura popular aos jovens locais.

O que você pensa sobre isto ?