Vale esquecido: Quem cuida dos bens históricos?

Carlos Roberto Reis Graça é proprietário da Pharmacia Popular, em Bananal. Nas palavras dele mesmo, “a mais antiga do Brasil”. “Esta farmácia é de 1830. Meu avô, o terceiro proprietário, Ernane Graça, e meu pai, Plínio Graça, o quarto”, conta.
Com um acervo de encher os olhos, o espaço teria tudo para ser uma parte viva da história do Brasil. Teria…

Atualmente, a Pharmacia Popular nem tampouco integra a lista de bens tombados do Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico) (veja lista dos patrimônios protegidos abaixo).

“A vigilância queria obras para (que pudéssemos) funcionar como farmácia. O Condephaat não admitia certas obras. Então, nós tínhamos multa da vigilância por não estar dentro das normas exigidas por ela. E se bobeasse, teríamos multas do Condephaat por mexer no patrimônio”, conta Carlos.

“Meu pai, doente, com câncer de estômago, dois precatórios na prefeitura, um meu e um dele. (…) Eu entrei com todos os exames médicos dele pedindo à juíza para que liberasse o dinheiro para tratar da saúde dele, até hoje não recebemos. Então, tive que me endividar para tratar da saúde dele, para ele morrer em paz. Foi quando fui obrigado a acabar com a farmácia mais antiga do país. Fui vendendo seu acervo para colecionadores. No final, depois da morte do pai, três dias da morte, chegaram quatro fiscais do Condephaat querendo tombar o acervo”, continua Carlos.

“Hoje, posso estar aqui dizendo que eu sou o culpado por acabar com a farmácia mais antiga? Eu acabei, assumo, mas será que eu sou culpado?”, completa ele.
Afinal de contas, de quem é a obrigação? Quem deve preservar o patrimônio histórico do país?

Documentário.
Este questionamento é levantado pelo documentário “Tempo Brasileiro – O Vale do Paraíba”, de Gabriel Meirelles Pinto.
“A situação mais emblemática é a da farmácia, pois resume bem o que acontece em todo o Brasil”, explica o diretor do filme a O VALE.

Assim como Carlos, “Tempo Brasileiro – O Vale do Paraíba” traz outros personagens quem vivem às margens do tema. “O filme nasceu de uma pesquisa para entender como as coisas funcionam. Por que um patrimônio tão importante, que é o que temos no Vale do Paraíba, é tão esquecido pela população e pelo governo”, questiona Gabriel.

A antiga Câmara de São José: prédio não é tombado_Foto: Pedro Ivo Prates

Lista dos bens tombados pelo Condephaat no Vale do Paraíba

Aparecida
-Basília de Nossa Senhora Aparecida
Areias
-Casa de Câmara e Cadeia de Areias
– Casa do Capitão-Mor e Casa Vizinha
– Sobrado na Rua Nove de Julho, n.º 136 (antiga Rua das Mercês)
– Sobrado na Rua Quinze de Novembro (antiga João Pessoa)
Bananal
– Centro Histórico de Bananal
– Estação Ferroviária de Bananal
– Sede da Fazenda Resgate
– Sobrado Vallim
Caçapava
– Coleção de Veículos e Acessórios do Museu Paulista de Antiguidades Mecânicas
Cachoeira Paulista
– Estação Ferroviária de Cachoeira Paulista
Caraguatatuba
– Ilhas, Ilhotas e Lajes
– Serra do Mar
Cruzeiro
– Rotunda
– Solar do Major Novaes
Cunha
– Serra do Mar
Guaratinguetá
– Casa do Conselheiro Rodrigues Alves
– Casa Térrea à Rua Frei Galvão
– EE Conselheiro Rodrigues Alves
– Estação Ferroviária
– Igreja de Santa Rita
Ilhabela
– Cadeia e Fórum de Ilhabela
– Sede da Fazenda Engenho D’Água
Jacareí
– Capela de Nossa Senhora dos Remédios
– Edifício da Manifatura de Tapetes Santa Helena
– Solar Gomes Leitão
Lorena
– Sobrado do Conde Moreira Lima
– Solar dos Azevedos
Natividade da Serra
– Sede da Fazenda Ponte Alta
– Serra do Mar
Paraibuna
– Sede da Fazenda Conceição
– Serra do Mar
Pindamonhangaba
– Casa de Câmara e Cadeia de Pindamonhangaba (atual Palacete Tiradentes)
– Igreja de São José da Vila real
– Palacete Palmeira
– Palácio 10 de Julho
Redenção da Serra
– Igreja Matriz e Antiga Sede da Prefeitura
Santa Branca
– Casa do Ajudante Braga
São José do Barreiro
– Cemitério dos Escravos
– Sede da Fazenda Pau D’alho
São José dos Campos
– Igreja de São Benedito
– Sanatório Vicentina Aranha
São Luís do Paraitinga
– Capela Nossa Senhora das Mercês
– Casa de Oswaldo Cruz
– Centro Histórico de São Luís do Paraitinga
– Serra do Mar
– Sobrado na Praça Oswaldo Cruz
São Sebastião
– Casa com Teto Pintado ou Casa Esperança
– Centro Histórico de São Sebastião
– Convento Franciscano de Nossa Senhora do Amparo
– Ilhas, Ilhotas e Lajes
– Sede da Fazenda Santana
– Serra do Mar
Silveiras
– Sobrado do Capitão Silveira
Taubaté
– Capela de Nossa Senhora do Pilar
– Casa Oliveira Costa
– Chácara do Visconde
– Convento de Santa Clara
– Sede da Fazenda Pasto
Grande Ubatuba
– Edifício Paço da Nóbrega
– Ilhas, Ilhotas e Lajes
– Residência Irmãos Gomes
– Ruínas do Engenho da Lagoinha
– Serra do Mar
– Sobrado do Porto
– Unidades Habitacionais de Picinguaba

A farmácia mais antiga do Brasil, localizada na cidade de Bananal

 Fonte: O Vale

O que você pensa sobre isto ?