2º Festival de História de Diamantina debate memória e patrimônio cultural brasileiro em Minas

Fundamentais para a memória e identidade de um povo, a história e o patrimônio cultural do Brasil estarão ainda mais interligados no 2º Festival de História de Diamantina, que acontecerá na cidade mineira de 18 a 20 de setembro. As rodas de conversa, palestras e oficinas a serem realizadas no Teatro Santa Izabel, no Mercado Velho e na Biblioteca Antônio Torres contarão com especialistas do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), pesquisadores, historiadores, arquitetos e gestores que debaterão, junto ao público, os desafios da proteção, conservação e salvaguarda do patrimônio cultural material e imaterial brasileiro.

As capistranas e a arquitetura de Diamantina foto: Pedro Miranda / Divulgação

A programação voltada ao patrimônio tem início já no dia 14, na Casa de Chica da Silva – sede do escritório técnico do IPHAN, que receberá as Oficinas da Fábrica do Futuro: História, Patrimônio e Memória Audiovisual e, no dia 17, a produção Vídeo-Série Patrimônio Cultural de Diamantina. A cidade sede do Festival continua em evidência com palestra no dia 18 sobre Os desafios e perspectivas de Diamantina, Patrimônio Mundial.

Já na inauguração do FHist, o Centro Nacional de Arqueologia (CNA/IPHAN) integra mesa redonda para tratar da Arqueologia e Patrimônio: vestígios, restos e objetos que recontam a História. No dia 20, técnicos do IPHAN falam sobre Missões revisitadas: projeto universal jesuíta, concepções Guarani e novos rumos para o patrimônio. Já em rodas de conversa, técnicos do DPI/IPHAN falarão sobre as políticas de salvaguarda do Queijo e do Jongo como patrimônios culturais.

O Mercado dos Tropeiros de Diamantina na História: Centro de trocas, de comércio e, sobretudo, de intercâmbio cultural e o Sinais de messianismo nas artes: jesuítas, rebeliões e inconfidências em Minas Gerais também serão temas de palestras do 2º Festival de História, nos dias 20 e 21, respectivamente.

Ainda acontecerá durante o FHist atividades de Educação Patrimonial com escolas de Diamantina. Entre elas está a Visita à Exposição e à Escavação Arqueológica na Casa de Chica da Silva, além da Exposição e Lançamento de livro sobre Erich Hess (foto em destaque), primeiro fotógrafo contratado pelo então Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN). Também estarão à venda na Feira de Livros no Mercado Velho algumas obras de referência publicadas pelo IPHAN, essencial ao conhecimento do processo de formação do Patrimônio Cultural Brasileiro.