Unesco reconhece Roda de Capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade

cap1A 9ª Sessão do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda acaba de aprovar a inscrição da Roda de Capoeira, um dos símbolos do Brasil mais reconhecido internacionalmente, na lista do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. A aprovação ocorreu na manhã desta quarta-feria, dia 26 de novembro, na reunião do Comitê, que acontece, em Paris. Agora a  Roda de Capoeira se junta ao Samba de Roda do Recôncavo Baiano (BA), à Arte Kusiwa- Pintura Corporal (AP), ao Frevo (PE), e ao Círio de Nazaré (PA), já reconhecidos como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.
Segundo a presidenta do Iphan, a inscrição da roda de Capoeira na lista representativa promoverá o aumento de sua visibilidade desse, mas também de outros bens culturais relacionados aos movimentos de luta contra a opressão, sobretudo aqueles pertencentes às comunidades afrodescendentes. “A roda de capoeira expressa a história de resistência negra no Brasil, durante e após a escravidão. Seu reconhecimento como patrimônio demarca a conscientização sobre o valor da herança cultural africana, que, no passado, foi reprimida e discriminada”, conclui Jurema Machado.
Originada no século XVII, em pleno período escravista, desenvolveu-se como forma de sociabilidade e solidariedade entre os africanos escravizados, estratégia para lidarem com o controle e a violência. Hoje, é um dos maiores símbolos da identidade brasileira e está presente em todo território nacional, além de praticada em mais de 160 países, em todos os continentes. A Roda de Capoeira e o Ofício dos Mestres de Capoeira foram reconhecidos como patrimônio cultural brasileiro pelo Iphan em 2008, e estão inscritos no Livro de Registro das Formas de Expressão e no Livro de Registro dos Saberes, respectivamente.
A Roda
Profundamente ritualizado, o espaço da Roda reúne cantos e gestos que expressam uma visão de mundo, uma hierarquia, um código de ética, e revelam companheirismo e solidariedade. É na roda de capoeira que se formam e se consagram os grandes mestres, se transmitem e se reiteram práticas e valores tradicionais afro-brasileiros. Forma redes de sociabilidade, gera identidades comuns e laços de cooperação entre seus integrantes. É o lugar de socialização de conhecimentos e práticas; de aprender e aplicar saberes, testar limites e invenções, reverenciar os mais velhos e improvisar novos cantos e movimentos.
Metaforicamente representa a roda do mundo, a roda da vida, onde há lugar para o inesperado, onde ora se ganha ora se perde. A roda também tem a função de difundir os símbolos e valores relacionados à diáspora africana no território brasileiro. Leva a mensagem de resistência sobre o sistema escravagista.

 Saiba mais sobre a candidatura da Roda de Capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade clicando aqui.  Leia mais sobre o Registro da Roda de Capoeira e do Ofício dos Mestres de Capoeira .                                                                              

Goiás debate regulamentação, salvaguarda e incentivo à atividade da Capoeira

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), a Fundação Cultural Palmares (FCP) e a Secretaria de Estado de Políticas para Mulheres e Promoção da Igualdade Racial realizam no próximo dia 28, na cidade de Goiânia, a quinta edição do Ciclo de Debates Pró-Capoeira: Regulamentação, Salvaguarda e Incentivo à Atividade da Capoeira.

A proposta é contribuir para a salvaguarda e promoção da Atividade no Brasil e no Mundo. O Encontro tem como foco de debate a regulamentação da capoeira, e seu reconhecimento enquanto instrumento de identidade cultural brasileira a fim de implementar o Estatuto da Igualdade Racial; a prática da capoeira como profissão, na sua manifestação como dança, competição ou luta e é um vetor importante da cultura que pode se tornar também da economia do Brasil.  A inclusão da capoeira como atividade na legislação desportiva, elevando o capoeirista à condição de atleta profissional também será um dos temas debatidos.

O Ciclo é resultado de uma parceria entre e o IPHAN e a Fundação Cultural Palmares, vinculados ao Ministério da Cultura (MinC). Como uma das prioridades do MinC atualmente é o estabelecimento de uma política pública para capoeira enquanto saber, arte, tradição cultural e instrumento pedagógico, de desenvolvimento físico e social, diversas ações de reconhecimento e incentivo à prática deste bem cultural têm sido empreendidas, entre elas, o Edital Capoeira Viva e os Pontos de Cultura voltados para a prática em vários estados brasileiros.

Em mais uma etapa dos trabalhos pelo fortalecimento das práticas da capoeira como um bem cultural brasileiro, os encontros que têm como objetivo a sistematização de demandas e ações para o Programa Nacional de Salvaguarda e Incentivo à Capoeira – Pró-Capoeira.

O Registro como Bem Cultural Imaterial do Brasil

Em outubro de 2008, a Roda de Capoeira e o Ofício dos Mestres de Capoeira foram reconhecidos como Patrimônio Cultural do Brasil. A Roda de Capoeira foi registrada como Bem Cultural de Natureza Imaterial no Livro das Formas de Expressão. É um elemento estruturante desta manifestação, sendo o espaço e o tempo onde se expressam simultaneamente o canto, o toque dos instrumentos, a dança, os golpes, o jogo, a brincadeira, os símbolos e rituais de herança africana, recriados no Brasil. A Roda de Capoeira profundamente ritualizada, congrega cantigas e movimentos que expressam uma visão de mundo, uma hierarquia e um código de ética que são compartilhados pelo grupo.

Já o Ofício dos Mestres de Capoeira foi registrado como Bem Cultural de Natureza Imaterial no Livro dos Saberes. O conhecimento produzido para a instrução do processo permitiu identificar os principais aspectos que constituem a capoeira como prática cultural desenvolvida no Brasil, como o saber transmitido pelos mestres formados na tradição da capoeira. O Ofício dos Mestres de Capoeira é exercido por aqueles detentores dos conhecimentos tradicionais desta manifestação e responsáveis pela transmissão oral das suas práticas, rituais e herança cultural.

Serviço
Ciclo de Debates Pró-Capoeira: Regulamentação, Salvaguarda e Incentivo à Atividade da Capoeira
Data: 28 de dezembro
Horário: 18h30 às 21h30
Local: CREI Centro de Referência da Igualdade – Av. Goiás, 1496 – Centro – Goiânia-GO