Iguape : Prédio do Correio Velho em 2 tempos

As fotos mostram dois momentos do Correio Velho, em Iguape. A primeira foto é de 2006 e a foto debaixo é atual, de 2015, com o restauro já quase concluído.

Situado na praça Praça Engenheiro Greenhalgh s/nº, é um prédio importantíssimo para a história de Iguape/SP que está, com seu restauro,  ganhando um visual belíssimo e um interior modernizado, fruto de convênio entre Iphan e Prefeitura de Iguape.

fonte : patrimoniovaledoribeira.org

Em São Paulo, Prefeitura de Iguape publica Edital para restauração do prédio do Correio Velho

A Prefeitura Municipal de Iguape publicou o Edital que trata da Concorrência Pública relativa às obras de restauração e novo uso do edifício do Correio Velho, situado na Praça Engenheiro Greenhalg, s/nº , no Centro Histórico da cidade.

O preço máximo estabelecido para a obra é de R$1.881.382,30 (Um milhão oitocentos e oitenta e um mil trezentos e oitenta e dois reais e trinta centavos) .

O valor é proveniente do Convênio Nº 64740/2011- Iphan e Prefeitura de Iguape.

A abertura dos envelopes será pontualmente às 10:00 hs do dia 8 de novembro de 2013 na Prefeitura Municipal de Iguape, situada à Rua XV de novembro, nº 272, Centro, Iguape/SP.

Veja aqui o Edital Completo em PDF

fonte: Casa do Patrimônio do Vale do Ribeira

Em São Paulo, Iguape retoma processo para restaurar Correio Velho

A restauração do Correio Velho, prédio imponente construído em 1839, símbolo da riqueza paulista na época e um sonho dos iguapenses de hoje, pode tornar-se realidade ainda este ano. Depois de visitar a cidade e se reunir com autoridades locais no final de maio, a superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Ana Beatriz Ayrosa Galvão, determinou a abertura de um novo processo de licitação para a obra. Os recursos para o restauro – cerca de R$ 2 milhões – virão do Plano de Ação das Cidades Históricas (PAC Cidades Históricas) do governo federal.

O convênio assinado em 2012 apresentou incongruências e teve de ser refeito. Após o restauro, o prédio vai abrigar um centro cultural e de preservação do patrimônio. O edifício, com paredes externas de pedra e um conjunto de janelas e sacadas, passou por reforma em 1893, ao ser adquirido pelo coronel Agostinho José Moreira Rollo. Pertenceu depois ao comendador João Mâncio da Silva Franco e, a partir de 1926, passou a abrigar a agência dos Correios e Telégrafos até 1951. O telhado de duas águas desabou e foi removido. Segundo a tradição oral, o prédio abrigou as tropas do General Osório e de Duque de Caxias em viagens ao sul do País, durante a Guerra do Paraguai.

fonte:  Blog Pelo Interior-Estadão.com.br