Morre Apolônio Melônio, referência do bumba meu boi no Maranhão

Mestre_Apolonio_Melonio_maranhao_001

Foto: Site Boi da Floresta

Mestre Apolônio Melônio, de 96 anos, fundador do Boi da Floresta, um dos mais tradicionais do sotaque da baixada, morreu por volta das 21h desta terça-feira (2). Deacordo com familiares, a causa da morte foi insuficiência renal. Ele morreu após passar 14 dias internado a Unidade de Terapia Intensiva do Hospital de Alta Complexidade Dr. Carlos Macieira, no Calhau, em São Luís. Ele foi internado no dia 20 apresentando quadro clínico de infecção urinaria e insuficiência respiratória grave.

Mestre_Apolonio_Melonio_maranhao_002

Igreja do Bacanga e Sobrado dos Belfort são restaurados em São Luis/MA

25.03 igreja
Tombada pelo Departamento de Patrimônio Histórico, Artístico e Paisagístico do Maranhão, órgão da Secretaria de Estado da Cultura, em 1987, a Igreja de São Joaquim do Bacanga data do século XVII, quando os jesuítas fundaram na localidade um aldeamento para catequese dos índios. Com a criação da Freguesia de São Joaquim do Bacanga, foi reconstruída em 1848, durante as obras do futuro Canal do Arapapaí.
A Vila Maranhão é uma comunidade rural muito antiga, que mantém, por meio da tradição, uma relação afetiva muito forte com a sua igreja matriz. Em 2013, a Superintendência do Iphan no estado recebeu os representantes da comunidade, que entregaram um abaixo-assinado solicitando o apoio da instituição para as obras de restauração da igreja.
Apesar do tombamento ser estadual, o Iphan, por meio de uma compensação ambiental na área da Vila Maranhão, pôde destinar recursos de dano ambiental causado ao patrimônio arqueológico para a restauração de um bem cultural de grande importância para a comunidade impactada. A obra foi realizada em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura.
25.03 igreja 2

Igreja de São Joaquim do Bacanga, na Vila Maranhão, zona rural de São Luís. (Fotos: Gabriela Sobral)

O Sobrado dos Belfort, prédio tradicional do centro histórico de São Luís, no Maranhão, está de cara nova. Erguido em 1756 pelo empresário irlandês Lourenço Belfort, o sobrado teve a fachada de azulejos totalmente restaurada com recursos do PAC Cidades Históricas. A entrega da obra, na qual foram investidos R$ 572,5 mil, foi feita na manhã desta quinta-feira (26) pela presidenta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Jurema Machado.
O evento faz parte da Caravana da Cultura, projeto lançado pelo Ministério da Cultura com o objetivo de estreitar relações e conhecer in loco as principais demandas de artistas, gestores, produtores e fazedores de cultura do Brasil.
26.3 belfort 2Localizado na esquina do Beco do Quebra Costa com o Largo do Carmo, este sobrado de três pavimentos e mirante foi erguido por Belfort durante o governo de Melo e Póvoas, sobrinho do Marques de Pombal, para servir de moradia a sua família. No térreo, o empresário instalou uma das mais importantes casas comerciais da província do Maranhão no século XVIII.
Homem de notável atividade, proprietário e fundador da Fazenda Kylrue, localizada às margens do rio Itapecuru, Lourenço Belfort ocupou cargos importantes na então província: almotacel (fiscal de pesos e medidas), em 1744, 1750 e 1754; vereador, em 1753; e juiz de fora interino, em 1759. Belfort também exerceu altas funções militares, obtendo o posto de mestre de campo, para o qual foi nomeado em agosto de 1768.
Belfort foi o precursor da criação do bicho da seda no Maranhão, dedicando-se também, em larga escala, à cultura de arroz, anil e algodão durante os anos de atuação da Companhia do Grão Pará e Maranhão. Empresário arrojado, amigo do Marques de Pombal e do seu sobrinho governador da Província do Maranhão, instalou, ainda, a primeira fábrica de couros atanados no estado.
No século XIX, o Sobrado dos Belfort passou para o Barão de Coroatá, que em seguida o vendeu ao jornalista Vitor Lobato. O prédio, então, passou a sediar a redação do jornal Maranhense A Pacotilha. No século XX, foi adaptado para a instalação do Hotel Ribamar e, depois, a propriedade passou para a Santa Casa de Misericórdia.
O Iphan recuperou toda a parte estrutural do edifício em 2004 e, agora, em função da requalificação urbanística da Praça João Lisboa e do Largo do Carmo, dos quais o sobrado é um dos principais destaques, realizou a restauração da sua imponente fachada de azulejos.

O Sobrado dos Belfort, prédio tradicional do centro histórico de São Luís, no Maranhão, está de cara nova. (Fotos: Gabriela Sobral)

O Sobrado dos Belfort, prédio tradicional do centro histórico de São Luís, no Maranhão, está de cara nova. (Fotos: Gabriela Sobral)

Cerimônia celebra tombamento da Canoa Costeira Dinamar

Último exemplar de embarcação que fazia parte da rotina naval do país, a Canoa Costeira Dinamar terá nesta quarta-feira, 23 de outubro, uma cerimônia para celebrar o reconhecimento como bem cultural brasileiro. Encontrada em 2009 no estado do Maranhão, o exemplar foi escolhido entre as últimas 21 canoas costeiras em atividade na Baía de São Marcos. Assim, foi restaurada e tombada no ano de 2010 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) para garantir sua preservação e valorização.

A ação do Instituto só foi possível graças à dedicação voluntária de pessoas e organizações que mantém ativa, com muito esforço, algumas dessas embarcações. É o caso do proprietário da Canoa Dinamar, Mestre Martinho Alves, que receberá às 10h de amanhã, no Sítio Tamancão, Alto da Esperança, a solenidade organizada pelo IPHAN no Maranhão (IPHAN-MA), com apoio do Centro Vocacional Estaleiro Escola e da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia. Também estarão presentes, entre outras autoridades, o Capitão dos Portos da Marinha e o Secretário de Ciência e Tecnologia, de Cultura e de Turismo maranhense.

Essas embarcações, apesar de frágeis, ainda guardam excecionalidades tipológicas e construtivas, além de forte significado simbólico e afetivo local; fazem parte das paisagens e são, muitas vezes, ícones importantes da cultura regional. Os cúteres ou canoas costeiras são um dos maiores barcos tradicionais do Brasil.

O convés é fechado, arrematado por cabine rasa. Na proa há um alongado gurupés (pau de giba) e a bita (frade), que usualmente apresenta forma de cabeça humana. O formato da vela, com cores vivas, é dado pela forte inclinação da carangueja, que, visualmente, converte sua forma quadrada em triangular. Quando navegam, essas embarcações impressionam: inclinam-se suavemente com o vento, enquanto colorem a Baía de São Marcos com as diferentes tonalidades de seus cascos e velas.

Ainda hoje é possível encontrar exemplares que possuem o fundo do casco constituído por uma peça única, acrescida de outras tábuas que dão a forma final ao modelo, porém esta prática foi abolida por escassez de árvores, junto à costa, de tamanho e qualidade adequados.

Os processos de tombamento de embarcações tradicionais no Brasil
Em 2008, o Iphan lançou o projeto Barcos do Brasil cujo objetivo central é a preservação e a valorização do patrimônio naval brasileiro por meio de ações de proteção de embarcações, paisagens e acervos históricos e fomento às atividades relacionadas com os barcos tradicionais – pesca, culinária, artesanato, festejos, transporte de pessoas e mercadorias e outras manifestações.

A partir da identificação de localidades e embarcações singulares, muitas vezes em risco de desaparecimento ou em contextos vulneráveis, o Iphan busca estimular o monitoramento de alguns barcos tradicionais, com o intuito de acompanhar a evolução de sua utilização econômica, seu estado de conservação e preservação e evitar seu desaparecimento.

Como resultado do inventário de varredura do patrimônio naval e dos cadastramentos e diagnósticos quantitativos e qualitativos das embarcações e dos contextos navais de maior relevância e de maior vulnerabilidade, realizado pelo projeto Barcos do Brasil, o IPHAN apresentou os primeiros processos de tombamentos de embarcações tradicionais brasileiras.

Oficina mirim inicia ações do projeto de Salvaguarda do Tambor de Crioula

Na manhã da próxima segunda-feira, dia 7 de outubro, terá início a primeira ação do projeto Salvaguarda do Tambor de Crioula, iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Maranhão (IPHAN-MA), em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura e apoio do Comitê Gestor da Salvaguarda do Tambor de Crioula. O projeto será lançado com oficina de Incentivo à Formação de Grupos Mirins, destinada a crianças e jovens de 7 a 15 anos de idade, abordando dança, canto e toque do Tambor de Crioula, com carga horária de 40 horas/aula.

A iniciativa é uma das ações do projeto de salvaguarda do Tambor de Crioula, conveniado entre o IPHAN e a Secretaria de Cultura local e tem como objetivo possibilitar às crianças e jovens adolescentes a compreensão da relevância do Tambor de Crioula, proporcionando, de forma privilegiada, a aprendizagem dos fundamentos técnicos, das disposições corporais e da percepção dos sentidos lúdicos e religiosos da prática dessa manifestação cultural. Para a execução do projeto foram investidos R$ 500 mil por parte do IPHAN e a R$ 125 mil da Secretaria.

A oficina acontecerá no Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho de 7 de outubro a 28 de novembro. Os interessados poderão se inscrever na segunda-feira, de 8h às 9h no Centro de Cultura Popular, situado na Rua do Giz, 221 – Centro.

O Tambor de Crioula foi reconhecido como Patrimônio Cultural do Brasil em 2007 e no ano seguinte foram iniciadas as discussões em torno do Plano de Salvaguarda do Tambor de Crioula, com o objetivo de fortalecer essa prática cultural nas suas mais variadas formas de expressão. Dentre as ações previstas voltadas à preservação dos modos de fazer o Tambor de Crioula, serão realizadas oficinas que proporcionam a valorização e transmissão de conhecimentos, ao mesmo tempo em que fomentam a prática cultural do Tambor de Crioula, fortalecendo o sentimento de pertencimento cultural de seus praticantes.

Igreja da Sé será reformada e abrigará Museu de Arte Sacra, em São Luis / MA

Inaugurada em 1699, a Catedral de Nossa Senhora da Vitória, mais conhecida como Igreja da Sé, no Centro de São Luís, passará por reformas. Além da recuperação do prédio histórico, inaugurado pelos jesuítas, a obra prevê a transferência do Museu de Arte Sacra, que hoje fica na Rua do Sol, para a área da catedral.

Entre 1621 e 1670, o prédio funcionava como Colégio dos Jesuítas. Apesar de tanto tempo e intervenções, o prédio ainda conserva muito da estrutura original como as colunas, a escada e o piso.

De acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a obra vai abranger também o Prédio dos Bispos, um anexo da igreja, e custará aproximadamente R$ 6 milhões.

Veja matéria completa no G1 Maranhão

Maranhão celebra Festival de Bumba-meu-boi de Zabumba

Um dos grandes eventos do calendário cultural de São Luis, capital maranhense, o XIX Festival de bumba-meu-boi de Zabumba, acontece no próximo sábado, dia 3 de agosto, partir das 21h, com encerramento previsto para as primeiras horas da manhã de domingo. Promovido pelo Clube Cultural de Bumba-meu-boi de Zabumba e Tambor de Crioula do Maranhão, a festividade reúne grupos de Bumba-meu-boi do sotaque de Zabumba no berço dos Bois desse estilo na Capital: o bairro Monte Castelo.

O Festival também conta com o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no estado (IPHAN-MA), que realizará ao longo de 2013 outras ações de salvaguarda do Complexo Cultural do Bumba-meu-boi do Maranhão, registrado como Patrimônio Cultural Brasileiro em agosto de 2011. Além do Festival, o Instituto também apoiou este ano a Festa de São Marçal, uma grande celebração do Bumba-boi que marca o encerramento da temporada junina em São Luís, no dia 30 de junho.

Com o apoio às iniciativas dos detentores do bem cultural Bumba-meu-boi, o IPHAN-MA contribui para o fortalecimento dessa manifestação da cultura popular maranhense, especialmente ao Festival, concebido em 1994, fruto da preocupação dos brincantes e donos de Bois de Zabumba com o número cada vez mais reduzido de grupos na época. A partir da promoção e divulgação, o estilo de brincar Boi, originário do município de Guimarães, está cada ano mais valorizado.

A superintendente do IPHAN no Maranhão, Kátia Bogea, avalia como uma ação importante o apoio dado às celebrações e eventos promovidos pelos praticantes do Bumba-meu-boi. Segundo ela, a confecção dos troféus fornecidos aos grupos na Festa de São Marçal, e a produção do material de divulgação ao Festival de Bumba-meu-boi de Zabumba, são apenas o início de um processo bem mais amplo, cujas ações estarão contempladas no Plano de Salvaguarda do Complexo Cultural do Bumba-meu-boi do Maranhão, que está sendo elaborado.

Confira convite [Aqui]

Serviço:
XIX Festival de bumba-meu-boi de Zabumba

Data: 03 de agosto de 2013, às 21h
Local: Avenida Newton Belo – Monte Castelo, São Luís – MA

IPHAN apresenta projeto que vai revitalizar o Engenho Central de Pindaré

Secretária de Estado da Cultura, Olga Simão; Superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN-MA), Kátia Bogéa; Técnicos do IPHAN; Prefeito Municipal de Pindaré Mirim/MA, Walber Furtado; Secretário Municipal de Cultura, José Ribamar Silva; autoridades locais; agentes da cultura do município e sociedade civil participaram, na manhã da última quinta-feira (18.04), na Escola Municipal Raimunda de Nazaré Jansen, de uma audiência pública de apresentação do projeto que visa revitalizar e transformar o Engenho Central em um centro cultural.

COMO É O PROJETO
O projeto conta com uma arquitetura interna moderna e ousada que visa, principalmente, a difusão da cultura local em um espaço próprio. Para a superintendente do IPHAN-MA, Kátia Bogéa, o Monumento é uma referência simbólica tanto para a comunidade da região do Pindaré como para todo o território nacional, já que é tombado pelo patrimônio estadual e nacional. “O Engenho Central tem um valor simbólico e histórico muito grande e por isso, com todos os estudos que fizemos, ele deve ser voltado para a criação de um centro cultural com toda a estrutura interna apropriada”, afirmou a superintendente.

De acordo com os estudos que constam no projeto de revitalização, um dos maiores danos à estrutura física do monumento foi causado pela ação humana. “O item principal avaliado foi o estado de conservação que, na parte externa está bastante degradado, principalmente, pela ação humana; na parte interna o dano maior foi causado pela falta de ventilação que acarretou no umedecimento das paredes do engenho”, concluiu um dos técnicos responsáveis pela elaboração do projeto, Flávio Grillo.

A Secretária de Estado da Cultura, Olga Simão, afirmou durante o evento que essa é uma das muitas parcerias a serem realizadas entre Pindaré-Mirim e Governo do Estado de Maranhão. “Pindaré tem uma cultura muito diversificada que merece, com certeza, ser beneficiada pelas ações do Estado”, afirmou a Secretária.

O centro cultural: Será um espaço voltado para todas as ramificações culturais de Pindaré-Mirim. Ele contará em sua estrutura com salas para exposições artísticas, exibição de cinema, lanchonete, biblioteca e auditório. A previsão para o inicio das obras é para o final deste ano de 2013.

Via Agora Santa Inês

Exposição Fibras e Tramas de Barreirinhas pode ser visitada em São Luís (MA)

O espaço Casa de Nhozinho, em São Luís (MA) é o novo cenário da Exposição Fibras e Tramas de Barreirinhas, promovida pelo Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP), do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A mostra foi inaugurada no Rio de Janeiro em dezembro de 2012 e, agora, segue para o Maranhão. As peças aproveitam todas as ofertas do município, como o palmito, o linho para produção artesanal, palha para cobrir casas e polpa do fruto para o fabrico de iguarias.

Porta de acesso aos Lençóis Maranhenses, Barreirinhas produz um repertório variado de artefatos que representam a história, o sustento e a identidade de diversas comunidades. Segundo os mais antigos, o nome da cidade, localizada no norte do estado do Maranhão, surgiu em função das paredes de barro existentes às margens do rio Preguiças, que ficaram popularmente conhecidas como barreirinhas. O município conta com belezas naturais e um rico saber tradicional pautado na fibra do buriti. As artesãs produzem uma diversificada gama de produtos seguindo uma técnica de beneficiamento da fibra atribuída à herança indígena. Já o trançado das fibras revelam técnicas conhecidas como o macramê  e o crochê que se aliam à tradicional malha de cascudo, uma criação local em que as tramas se assemelham a escamas do peixe de água doce que leva o mesmo nome. O colorido, fruto de tingimento natural, dá ao artesanato de Barreirinhas uma forte excepcionalidade.

A exposição é composta por bolsas de diferentes tamanhos e modelos, chinelos, chapéus, adornos de cabeça, bijuterias e artigos de uso doméstico, como centros de mesa, aparador de panelas, jogos americanos. Uma boa parte da coleção de autoria da Cooperativa de Artesãos dos Lençóis Maranhenses (ArteCoop) estará à venda.

Veja o convite [aqui]

Serviço:
Exposição Fibras e Tramas de Barreirinhas
Visitação: De 28 de março a 16 de junho de terça a sábado, das 9h às 18h
Domingos e feriados, das 9h às 13h
Local: Casa de Nhozinho
Rua Portugal, 185, Praia Grande – São Luís – Maranhão

Saiu no G1: Igrejas históricas de São Luís serão reformadas pelo Iphan

Igreja do Carmo está entre as igrejas que
serão reformadas (Foto: Biné Morais/O Estado)

Cinco importantes igrejas históricas de São Luís devem ser reformadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

As igrejas são a Igreja da Sé, Igreja de Nossa Senhora do Carmo, Igreja de Santaninha, Igreja de Santo Antônio e a Igreja de São João. Os recursos são do PAC.

As demais igrejas da capital também estão com recursos assegurados para projetos de restauração de obras de arte, móveis e estruturas internas, além de reparos nas fachadas.

Via Globo.com

São Luís será beneficiada com recursos do PAC Cidades Históricas

Os recursos do PAC Cidades Históricas (CH), destinados às propostas de restauração de imóveis no Centro Histórico de São Luís, serão anunciados no mês de abril. A confirmação foi feita, nesta quinta-feira (7), em Brasília, durante uma reunião na sede do Instituto Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que contou com as presenças da secretária de Estado de Cultura, Olga Simão; da superintendente do Iphan/MA, Kátia Bogéa; e da presidenta do Iphan/MA, Jurema Machado.

Conforme destacou Olga Simão, o Governo do Maranhão, antes mesmo da aprovação dos investimentos do PAC CH, já está disponibilizando apoio técnico na elaboração dos projetos. “É determinação da governadora Roseana Sarney que aprofundemos parcerias com o Iphan e assinamos um termo de compromisso. Estamos confiantes, porque a própria presidenta Dilma Rousseff, quando em visita a São Luís nas comemorações dos 400 anos, sinalizou na liberação de recursos do PAC para restauração dos imóveis na cidade Patrimônio da Humanidade”, lembrou a secretária da Cultura.

A presidenta do Iphan disse que após a avaliação da apresentação das propostas para seleção dos imóveis que receberão os investimentos, R$ 1 bilhão em obras públicas, em mais de 30 municípios, acontecerá no mês de abril a divulgação do montante do repasse para cada cidade histórica. “Em relação á São Luís percebo um envolvimento muito grande dos parceiros envolvidos, que torna a expectativa melhor possível na aprovação das propostas apresentadas”, disse Jurema Machado.

Coube a superintendente do Iphan/MA, Kátia Bogéa, fazer uma explanação sucinta, sobre a atual realidade do conjunto arquitetônico histórico de São Luís, formado por mais de seis mil prédios públicos. Para ela, o PAC Cidades Históricas se faz urgente na capital maranhense.

“Trata-se de um momento inusitado no qual podemos realizar uma das maiores transformações em equipamentos históricos e culturais no país. Conseguimos formar parcerias governamentais, estado e prefeitura e, com o apoio do governo federal, faremos restaurações e intervenções em dezenas de imóveis do Centro Histórico de São Luís”, falou entusiasmada Kátia Bogéa.

Estão entre as prioridades para seleção do PAC CH em São Luís as seguintes restaurações e conservações: Palácio das Lágrimas, Palácio Cristo Rei, sobrado da Rua da Estrela, Fábrica São Luís, Mercado Central, Estação Ferroviária (prédio da REFFSA), Solar dos Vasconcelos, Teatro Arthur Azevedo, Sobrado da Baronesa, Museu Histórico e Artístico do Maranhão, Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Centro de Cultura Popular, Teatro João do Vale, Casa do Maranhão, Centro de Arqueologia e Câmara Municipal.

Também estão identificadas as propostas de requalificação da Praça Deodoro, Rua Grande, Rua da Paz, Praça da Alegria, Largo do Carmo, Fortaleza de São Luís e a construção da Praça das Mercês. Além de obras nas Igrejas do Carmo, São João, Santana e Santo Antônio. Ao todo são 49 itens de prioridades em caráter de urgência listadas.

Participaram, ainda, da reunião em Brasília, o coordenador Nacional do PAC CH/Iphan, Robson Almeida; diretor do Departamento de Patrimônio do Iphan, Andrey Schlee; do Ministério do Planejamento, Yole Medeiros; do secretário de São Luís de Desenvolvimento Econômico Social, além de técnicos da Presidência da República.

Continuar Lendo…Via 180graus