Museu do Trem tem exposição com 117 fotos da “maria-fumaça” e novos trilhos

0408TREMTrens modernos em movimento, passageiros apressados nas plataformas, paisagens bucólicas vistas da janela de uma maria ­fumaça e outras centenas de imagens em que ferrovias são protagonistas fazem parte de uma exposição de fotografias aberta no Museu do Trem, no Engenho de Dentro.

Batizada de “O Trem — ontem e hoje, uma viagem no tempo”, a mostra, com 117 imagens, acontece num espaço que tem tudo a ver com o acervo: o museu, ao lado do Estádio Olímpico Engenhão, funciona nas dependências do galpão de pintura de carros da antiga Estrada de Ferro Pedro II.

Além da exposição, os visitantes podem conhecer um rico acervo do passado ferroviário do Brasil. Dentro do museu, há cinco locomotivas e quatro vagões antigos. Alguns preservam o mobiliário e até objetos de decoração originais.

Entre as mais de mil peças disponíveis, destacam­-se a locomotiva Baroneza (na grafia antiga, com z), a primeira a trafegar pelo Brasil, em 1854; e o vagão que servia a D. Pedro II. Está lá também o vagão usado por Getúlio Vargas na década de 1930.

O museu abre de segunda a sexta­-feira, das 10h às 16h, na Rua Arquias Cordeiro 1.046.

Museu do Trem no RJ recebeu mais de 6.000 visitantes e cinco eventos culturais após ser reaberto

No dia 2 de abril, quarta-feira, o Museu do Trem completou um ano de reaberto após ter seu prédio e acervo, uma das maiores referências da memória ferroviária do país, tombados pelo IPHAN em 2011.

Para sua reabertura, o museu sofreu uma revisão geral na parte hidráulica e elétrica, com a devida iluminação do interior do salão de exposição, além de realizar uma adaptação dos banheiros para os portadores de deficiência.

Durante os doze meses desde a sua reabertura, o museu recebeu duas exposições fotográficas: Ferro Versus Natureza, de Michael Lewin e O Rio Grande na Era do Trem, de José Abraham e Alphunso Abraham. Também abrigou um sarau de poesias, durante alguns meses, além de ter servido de locação para dois documentários: “A Ferrovia”, realizado pela Com Domínio Filmes e “Mate com Angu – a experiência da Escola Proletária de Meriti, o legado de Armanda Álvaro Alberto”, realizado pelo Centro de Educação e Humanidades da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense, da Universidade do Estado do Rio de janeiro – UERJ.

Durante esse período, o museu recebeu mais de 6.000 visitantes, incluindo alunos de escolas públicas e particulares, além grupos de turistas.

Com mais de mil itens, o acervo, que passou por criterioso inventário, abrange equipamentos ferroviários, utensílios, mobiliário e até locomotivas como a Baroneza, construída na Inglaterra, movida a vapor e a primeira a trafegar na estrada de ferro de Petrópolis. Outros destaques são um vagão usado pelo ex-presidente Getúlio Vargas e outro onde viajou o Rei Alberto, da Bélgica, quando esteve no Brasil em visita oficial, em 1922.

Já o prédio abrigou o maior conjunto de oficinas de locomoção da América Latina, que ajudou inclusive na formação daquele bairro. O Museu e a sua coleção pertenciam à Rede Ferroviária Federal S.A., extinta há seis anos, cujo acervo considerado de valor histórico e cultural foi absorvido pelo IPHAN

Situado na Rua Arquias Cordeiro, 1046, Engenho de Dentro, o Museu do Trem fica aberto de segunda a sexta-feira, das 10 às 16 horas, com entrada franca. Informações, inclusive sobre visitas guiadas para escolas, podem ser obtidas pelo telefone 21 2233-7483 ou pelo e-mail museudotrem@gmail.com.

Boa notícia : Museu do Trem reabre no Rio de Janeiro

Com mais de mil itens, o acervo, que passou por criterioso inventário, abrange equipamentos ferroviários, utensílios, mobiliário e até locomotivas como a Baroneza, construída na Inglaterra, movida a vapor e a primeira a trafegar na estrada de ferro de Petrópolis.

Outros destaques são um vagão usado pelo ex-presidente Getúlio Vargas e outro onde viajou o Rei Alberto, da Bélgica, quando esteve no Brasil em visita oficial, em 1922.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Rio de Janeiro (IPHAN-RJ) reabrirá o Museu do Trem, na próxima terça-feira, dia 02 de abril.

Fechado ao público desde 2007, o Museu teve seu prédio e acervo, uma das maiores referências da memória ferroviária do país, tombados pelo IPHAN em 2011

O prédio abrigou o maior conjunto de oficinas de locomoção da América Latina, que ajudou inclusive na formação bairro do Engenho de Dentro. O Museu e a sua coleção pertenciam à Rede Ferroviária Federal, extinta há seis anos, cujo acervo considerado de valor histórico e cultural foi absorvido pelo IPHAN.

Situado na Rua Arquias Cordeiro, 1046, Engenho de Dentro, no Rio de Janeiro, o Museu do Trem ficará aberto de segunda a sexta-feira, das 10h às 15h, com entrada franca. Informações, inclusive sobre visitas guiadas para escolas, podem ser obtidas pelo telefone 21 2233-7483.