Cultura Jesuítico-Guarani é tema de seminário no Rio Grande do Sul

O Sítio de São Miguel Arcanjo, considerado Patrimônio Nacional desde 1938 e declarado como Patrimônio Mundial em 1983, é uma das grandes belezas gaúchas. Para comemorar estas datas, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Rio Grande do Sul (IPHAN-RS), em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura e a Prefeitura de São Miguel das Missões, promove o Seminário Internacional Missões – Patrimônio da Humanidade: Turismo Cultural e Preservação, nos dias 12 e 13 de dezembro.

Inserido no PAC das Cidades Históricas, o sítio receberá em 2014, um Centro Cultural das Missões com espaço para receber turistas e apreciadores de história da arte. A programação das festividades inclui a apresentação do Coral Guarani e apresentação da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, no palco em frente às Ruínas. O encerramento será com o espetáculo de Som e Luz, no dia 13, às 21h30. As inscrições para o seminário podem ser feitas pelo e-mail: parque.missões@iphan.gov.br ou pelo telefone (55) 3381-1399. Confira [aqui] a programação.

Missões Jesuíticas

O município gaúcho abriga parte da antiga redução Jesuítica-Guarani de São Miguel Arcanjo, fundada por volta de 1687, e o Museu das Missões, inaugurado em 1940. A serviço da coroa espanhola, os catequizadores jesuítas iniciaram 30 grupos de evangelização em terras indígenas no sul do Brasil. Em meio ao campo, florestas e gado de corte, os jesuítas implantaram pequenas colônias cada uma com seu povoado: praças, igrejas, colégios, cemitério e outas edificações. O sistema colaborativo idealizado fez com que aumentasse o imaginário europeu sobre as missões e a utopia do novo mundo.  Com a expulsão dos missionários, as colônias minguaram em algumas, só restam ruinas.

Declarado como patrimônio mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e a Cultura (UNESCO), a cidade se tornou ponto turístico pelos vestígios imponentes, marcados pela espiritualidade. São Miguel Arcanjo é parte importante da história do Rio Grande do Sul. A conservação das ruínas é realizada pelo IPHAN desde 1938, um trabalho que inclui também o patrimônio cultural dos Guarani e a paisagem cultural da região.

Museu das Missões
O Museu das Missões faz parte do sítio tombado pela União em 1937, onde está situado o mais significativo remanescente material dos Sete Povos das Missões, comunidades indígenas lideradas e organizadas pelos Jesuítas. Neste sítio foi erguida a Igreja de São Miguel Arcanjo, declarada Patrimônio Mundial pela Unesco, em 1983.

O Museu foi criado em 8 de março de 1940, projeto do arquiteto Lucio Costa e abriga a maior coleção de arte missioneira do Brasil. De terça-feira à domingo é realizado no Sítio Histórico o espetáculo de Som e Luz relatando as guerras guaraníticas. O Museu também apresenta os vídeos Sonho da Paixão e Computação Gráfica.

Serviço:
Seminário Internacional Missões – Patrimônio da Humanidade: Turismo Cultural e Preservação
Data:
12 e 13 de Dezembro de 2013
Local: Hotel Park Tenondé – São Miguel das Missões

Rua São Miguel, 664 – Centro

Paleontólogos abrem bloco com fósseis do Triássico em Calendária – RS

Bloco havia sido removido e preparado em agosto. Foto: Lula Helfer

O maior bloco já retirado de um afloramento, em Candelária, começou a ser aberto neste domingo, 15, pela manhã no Museu Aristides Carlos Rodrigues. O trabalho envolveu paleontólogos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), de Porto Alegre, e voluntários do museu.

Foram identificados ossos robustos e longos – do braço ou da perna –, ossos de costela e vértebras da coluna. A paleontóloga Alessandra Boos, da Ufrgs, acredita que o bloco esconde um dicinodonte da espécie Dinodontosaurus turpior. O animal viveu no período Triássico, há 230 milhões de anos.

Paleontólogos trabalham para explorar o fóssil. Foto: Lula Helfer

Originário da localidade de Pinheiro, o bloco aberto neste domingo havia sido preparado e removido recentemente, dia 1º de agosto, três anos depois de ser localizado. Como a rocha ainda está úmida e é necessário esperar pelo menos mais um dia para continuar a trabalho, os voluntários do museu darão continuidade ao que foi feito.

O curador do museu, Carlos Nunes Rodrigues, explica que serão adquiridas canetas pneumáticas e um compressor de ar. Dessa forma, sob a supervisão dos paleontólogos da Ufrgs, os voluntários trabalharão para expor os fósseis no bloco. Por se tratar de uma atividade minuciosa, pode levar meses para ser concluída. Por Marília Gehrke

Via GAZ.com.br

Planejamento libera R$ 19,5 milhões para reforma do Mercado Público de Porto Alegre

Planejamento libera R$ 19,5 milhões para reforma do Mercado Público. Crédito: André Ávila

A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, confirmou a liberação de R$ 19,5 milhões para reformas no Mercado Público após encontro com o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, nesta segunda-feira. De acordo com a assessoria de imprensa da pasta, os recursos serão disponibilizados através do PAC Cidades Históricas do governo federal. Nesta terça-feira, completa-se um mês do incêndio que consumiu parte do segundo piso do prédio.

Para ter acesso à verba, contudo, Fortunati ainda terá de aprovar um decreto e apresentar proposta dos reparos no patrimônio público à Caixa Econômica Federal. Apesar do trâmite burocrático, o prefeito poderá dar início às obras assim que necessário com a confirmação obtida em Brasília.

Segundo o Ministério do Planejamento, já podem ser feitas as licitações do projeto de recuperação e investimentos iniciais dos consertos. A verba, posteriormente, será recuperada a fundo perdido com a Caixa Econômica através do PAC.

Termo de Ajustamento de Conduta é assinado

Na tarde desta segunda-feira, foi assinado o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) do Mercado Público, pelo Ministério Público, prefeitura, Associação de Permissionários e Corpo de Bombeiros. A data para reabertura, entretanto, permanece indefinida. A decisão depende da adequação de itens de segurança contra incêndio. A prefeitura tem 60 dias para apresentar um cronograma de adequações.

No TAC constam todos os requisitos necessários para a readequação do Mercado Público em cada uma das três fases programadas para reabertura, que será parcial em um primeiro momento. Antes da reabertura de cada fase, o Corpo de Bombeiros deverá expedir Certidão de Vistoria em até 48h antes da reabertura.

O Mercado Público

Inaugurado em outubro de 1869, o Mercado Público de Porto Alegre foi criado para abrigar o comércio de abastecimento da cidade. O local foi tombado como bem cultural em 1979 e passou por um processo de restauração entre os anos de 1990 e 1997, o que garantiu ao lugar um espaço maior aos estabelecimentos comerciais, mas sempre manteve a concepção arquitetônica original.

O incêndio do último dia 6 não foi o primeiro enfrentado pelo Mercado Público. Em 1912, um sinistro destruiu os chalés internos. Em 1941, uma enchente atingiu o Mercado e, 38 anos mais tarde, mais dois sinistros destruíram as dependências do estabelecimento que é um dos principais cartões postais de Porto Alegre. O local chegou a ser ameaçado de demolição durante a administração de Telmo Thompson Flores. Na época, era cogitada a construção de uma avenida.

Na década de 90, quando passou por reforma, o Mercado Público recuperou a percepção visual das arcadas. O trabalho resgatou as circulações internas, criou novos espaços de convivência e implantou redes de infraestrutura compatíveis com o funcionamento do Mercado. A nova cobertura possibilitou a integração entre o térreo e o segundo pavimento.

No segundo andar, onde antes existiam escritórios e repartições públicas, diversos estabelecimentos como restaurantes e lancherias passaram ocupar o espaço. Com nova infraestrutura, o cartão postal de Porto Alegre ganhou também um Memorial, além de duas escadas rolantes e dois elevadores. O custo da reforma ficou, na época, em R$ 9 milhões, sendo 88% do orçamento da Prefeitura e 12% do Fundo Municipal do Mercado Público e doações diversas.

Restauração do Mercado Público de Porto Alegre será prioridade

A presidenta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Jurema Machado, garantiu que dará prioridade aos trabalhos de restauração do Mercado Público de Porto Alegre. “No que depender do IPHAN, o processo será o mais célere possível já que o espaço é fundamental para a vivacidade do centro histórico da cidade”, afirmou.

Para isto, o projeto de restauração será iniciado já nesta segunda-feira (08), e estará pronto para quando as outras etapas forem vencidas, a exemplo das obras de rescaldo. O governo federal dará auxílio financeiro por meio do PAC Cidades Históricas, conforme anunciado pela presidenta Dilma Rousseff, que lamentou o incêndio e disse que o “Mercado faz parte da alma de Porto Alegre”.

Sobre os esforços conjuntos, a Ministra da Cultura Marta Suplicy declarou que “estaremos unidos na reconstrução” e Jurema Machado lembra ainda que o Programa não é a única fonte disponível, e que o Fundo Nacional de Cultura e o próprio orçamento da União poderiam destinar recursos a Porto Alegre para o próximo ano.

Saiu no G1: Incêndio atinge prédio do Mercado Público de Porto Alegre

Fogo atinge prédio do Mercadi Público de Porto Alegre (Foto: Rhian Carlos Berghetti Dantas/ Divulgação)

Um incêndio atingiu o Mercado Público de Porto Alegre na noite deste sábado (6). Segundo informações do Corpo de Bombeiros, 10 viaturas da capital estão no local. Reforços da cidade de Canoas, na Região Metropolitana, também foram chamados. De acordo com o órgão, o incêndio é de grandes proporções e iniciou às 20h30. Pelo menos 70 bombeiros combatem as chamas. Às 23h os principais focos do incêndio já haviam sido controlados.

O prédio é um dos mais tradicionais do Rio Grande do Sul e está localizado no Centro de Porto Alegre. Segundo a Brigada Militar, o fogo atinge o último andar do edifício. A Avenida Mauá está bloqueada.

O prefeito José Fortunati disse às 21h20 que não tinham vítimas. “Não imaginei que algum dia pudesse presenciar um espetáculo tão triste como este”, falou Fortunati. Até às 22h, o Samu não havia recebido nenhum chamado para buscar possíveis feridos.

Em um determinado momento do combate às chamas, um dos hidrantes de uma viatura não funcionou por falta de água. A população que se aglomera em volta do prédio gritou revoltada “água, água” e vaiou os bombeiros.

De acordo com Fortunati, materiais de fácil combustão podem ter ajudado a espalhar as chamas. “Tem muita madeira, certamente ajuda muito, muitas lojas, restaurantes, empreendimentos. É alarmante, assustador”, completou.

O Mercado Público faz parte do patrimônio histórico e cultural da capital gaúcha desde 1979 e foi inaugurado em outubro de 1869, segundo informações da prefeitura do município. O segundo pavimento foi construído apenas em 1912. Pelo menos 111 estabelecimentos ficam no local. Este é o quarto incêndio que atinge o prédio. Os outros ocorreram em 1912, 1976 e 1979.

Moradores da cidade presenciaram início das chamas
O advogado Eduardo Leal, 40 anos, estava na Avenida Borges de Medeiros por volta das 20h15 quando percebeu um foco de incêndio no Mercado Público. “Começou no lado esquerdo, perto da prefeitura”, disse ao G1. Ele conta que as chamas se alastraram muito rápido.

Via Globo.com

Aprovada Lei de Tombamento em São Nicolau (RS)

Na foto o Sobrado da Família Silva que é o único bem tombado no Município, tombamento feito na época através de Decreto.

O Prefeito Municipal Benone de Oliveira Dias, sancionou no dia 1º de abril a Lei Nº2927/2013, aprovada pelo legislativo que institui os procedimentos de tombamento para a proteção ao patrimônio cultural do município e dá outras providências. O objetivo da criação da lei é proteger o patrimônio.

O patrimônio cultural é constituído pelos bens de natureza material e imaterial existentes no município, tombados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade local, dentre os quais se incluem: as formas de expressão; os modos de criar, fazer e viver; as criações científicas, artísticas e tecnológicas; as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais. O próximo passo é nomear a “Comissão de Tombo” que deverá ser composta por representantes da Secretarias Municipais de Turismo e Educação e Cultura e da Área Jurídica do Município. Segundo a Secretária Municipal de Turismo Ana Paula o primeiro bem a ser tombado é o “saber fazer café de cambona”, e partir do tombamento realizar oficinas por todo o município, disseminando esta cultura e formando “mestres populares”.

Um município como São Nicolau que irá completar 387 anos de fundação histórica em 03 de maio, deve preservar seu patrimônio, e a aprovação desta lei é uma conquista de toda a comunidade.

Via Defender.org.br

Arroio Pelotas, no RS, completa dez anos como patrimônio cultural do Estado

Em comemoração aos dez anos da declaração do Arroio como patrimônio cultural do Estado do Rio Grande do Sul, o prefeito de Pelotas, Eduardo Leite, decretou na quinta-feira (28), a lei de nº 5.642 que estabelece 2013 como o Ano do Arroio Pelotas.

Como parte das celebrações, foram colocadas duas placas de sinalização turística nas cabeceiras da ponte sobre o Arroio Pelotas, situada na avenida Adolfo Fetter.

A lei nº 11.895/2003 que declara o Arroio Pelotas como patrimônio do Estado foi criada em 28 de março de 2003 pelo então deputado estadual Bernardo de Souza e evidencia a importância histórica, econômica, turística e ambiental do Arroio.

No local onde foram postas as placas de sinalização turísticas estiveram presentes o prefeito Eduardo Leite, a vice-prefeita Paula Mascarenhas e a família do autor da lei, o filho Bernardo José de Souza e a viúva Hilda de Souza.

Arroio Pelotas
O Arroio Pelotas possui cerca de 60 quilômetros de extensão. O nome dado ao arroio se dá em virtude das “pelotas”, embarcações que transportavam o charque – produzida pelas charqueadas às suas margens.

Via Diário Popular